Notícias

Aprovado novo parecer sobre o PLC da previdência

Aprovado novo parecer sobre o PLC da previdência
ALMG

Aprovado novo parecer sobre o PLC da previdência

2/9/2020

Um novo parecer de 1º turno sobre o Projeto de Lei Complementar (PLC) 46/20, que altera a previdência do servidor público estadual, foi aprovado pela Comissão de Administração Pública.

Na noite desta terça-feira (1º/9/20), na segunda reunião do dia dessa comissão da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), cinco deputados aprovaram o relatório, que teve o voto contrário da deputada Beatriz Cerqueira (PT). Ela utilizou instrumentos regimentais para tentar impedir a votação do parecer e reiterou suas críticas às propostas do governo.

O relator e presidente da comissão, deputado João Magalhães (MDB), em seu parecer, opinou pela aprovação do PLC do governador Romeu Zema na forma do substitutivo nº 2. O projeto já pode seguir para votação em Plenário.

O projeto prevê, entre outras medidas, alíquotas progressivas de contribuição, cisão do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado (Ipsemg) e criação de nova autarquia para gerir a previdência, a MGPrev.

Em relação às 41 emendas apresentadas em Plenário na última sexta (28), o parlamentar opinou da seguinte forma: rejeitou as de nºs 3, 4, 13, 28 a 32, 37 a 44, 46 a 51, 58 a 61, 64 a 73; e tornou prejudicadas as emendas nºs 1, 12, 45, 55, 57 e 63, que tiveram seu conteúdo incorporado ao substitutivo. Durante a reunião, foram ainda apresentadas propostas de emendas ao novo texto, mas a comissão rejeitou todas.

Na noite de segunda (31), João Magalhães havia lido outro parecer sobre as emendas, o qual recebeu pedido de vista do deputado Sargento Rodrigues (PTB).

Faixas salariais - Como houve novas alterações, o relator optou por apresentar outro parecer nesta terça. A principal diferença no documento é a mudança nas faixas salariais sobre as quais incidirão percentuais de contribuição previdenciária, de 11% a 16%, e crescentes na medida em que sobe o vencimento. O texto original do projeto previa a cobrança de 13% a 19%.

Assim ficou definida a cobrança previdenciária:

  • até R$1.500 - 11%;
  • de R$1.500,01 até R$2.500 - 12%;
  • de R$2.500,01 até R$3.500 - 13%;
  • de R$3.500,01 até R$4.500 - 14%;
  • de R$4.500,01 até R$5.500 - 15%;
  • de R$5.500,01 até R$6.101,06 - 15,5%;
  • e acima de R$6.101,06 - 16%.

Ainda no parecer, o deputado recomenda a rejeição das emendas que afastam a incidência de contribuição sobre aposentados e pensionistas que supere o salário mínimo, quando houver deficit atuarial. Em substituição, João Magalhães apresentou proposta de incidência a partir de três salários mínimos.

Foram rejeitadas também emendas que pretendiam excluir as carreiras policiais, os agentes penitenciários e socioeducativos e os policiais legislativos do Regime de Previdência Complementar (RPC).

Também foi excluída emenda que prevê que lei complementar estabeleça requisito ou critério diferenciado para a concessão de aposentadoria a servidores dessas carreiras, em desacordo com a Constituição Federal.

Por outro lado, o relator acatou sugestão de emenda para que a incidência de contribuição sobre aposentadoria e pensão das pessoas com deficiência só ocorra sobre valor que supere o dobro do limite para benefícios do Regime Geral de Previdência Social (RGPS). Foi também resguardado o piso de um salário mínimo quando a pensão se tratar de única fonte de renda auferida pelo dependente.

Rejeitadas – As emendas rejeitadas pelo relator de nºs 1 a 6 são de autoria de Sargento Rodrigues. A de nº 1 propõe novas faixas salariais para cobrança da contribuição previdenciária. As de nºs 2 a 6 preveem critérios diferenciados para aposentadoria de servidores de carreiras policiais, agentes penitenciários e socioeducativos e policiais legislativos.

Já as emendas de nºs 12 e 14 a 17, todas de Beatriz Cerqueira, tratam das condições de aposentadoria dos professores e do trabalhador incapacitado para o trabalho, da contribuição patronal e do cálculo da média de contribuições para a definição dos proventos dos servidores. Outras emendas não foram recebidas pelo relator, por considerá-las fora do escopo do projeto.

Para deputada, reforma administrativa será novo ataque a servidor

Para Beatriz Cerqueira, não há fundamentação técnica para as mudanças na previdência, apenas motivação política. No seu entender, o governo quer fazer economia às custas dos servidores, que nem tiveram condições de participar presencialmente dos debates e pressionar por alterações nas regras, devido ao isolamento imposto pela pandemia e a pressa do Poder Executivo.

A deputada advertiu que a próxima iniciativa contra os servidores será a reforma administrativa, já protocolada na Assembleia, fruto do desmembramento da reforma da previdência originalmente encaminhada pelo Executivo.

Alíquotas – O deputado Sargento Rodrigues elogiou o relator pelas mudanças acatadas no escalonamento das alíquotas. E destacou que elas corrigem uma falha que prejudicaria os servidores.

O deputado também solicitou ajuste na redação do parecer. O objetivo é deixar claro que a pensão por morte para cônjuges ou companheiros de servidores da segurança equivalerá à remuneração do cargo, de forma vitalícia, em caso de óbito por agressão sofrida no exercício ou em razão da função.

Thank you! Your submission has been received!
Oops! Something went wrong while submitting the form.